img post tireoide

Termografia no diagnóstico precoce do câncer de tireoide

Dr. Sérgio Munhoz

Caso real

No corpo humano, há uma glândula importantíssima denominada Tireoide, situada na
frente do pescoço. Ela pesa apenas 20 gramas (o peso de uma azeitona) e através dela que se
realizam algumas das principais funções do nosso organismo: o metabolismo (hormônios são
liberados para reações do organismo na produção de energia) nos permitindo viver uma vida
equilibrada.

Sabemos que a prevenção é o melhor caminho para se evitar ou diminuir problemas
na saúde, mas, como todo órgão do corpo humano pode adoecer, pode parar de funcionar, assim
também ocorrerá com a Tireoide. O mais grave das situações é quando a glândula tireoide
apresentar no seu interior células malignas: o câncer de tireoide.

Os tumores da tireoide são silenciosos, normalmente sem nenhum sintoma.
Acometem indivíduos após 35 anos. Quando diagnosticados e tratados, precocemente, na maior
parte das vezes curam proporcionando maior sobrevida.

Se por um lado a doença não exibe sintomas, por outro, a presença de nódulo ou
caroço no pescoço, que normalmente cresce rapidamente; inchaço no pescoço devido a aumento
das ínguas; dor na parte da frente da garganta que pode irradiar para os ouvidos; rouquidão ou
outras alterações da voz; dificuldade para respirar, como se tivesse algo preso na garganta; tosse
constante que não acompanha um resfriado ou gripe e dificuldade para engolir ou sensação de
algo preso na garganta são sinais que precisam ser investigados.

Quando falamos em prevenção precoce a dificuldade aumenta, pois no Brasil a
Medicina Preventiva não é prioridade do sistema público de saúde, das secretarias de saúde, das
operadoras de plano de saúde e até da população em geral- nem sempre estão preocupados com
que possam ter ou não fazem nenhuma avaliação ou exame complementar com “medo de
descobrir algo ruim”.

No auxílio do diagnóstico precoce de muitas doenças temos um exame por imagens
que é a Termografia médica. Este exame é realizado com câmeras de infravermelho que captam
o calor radiado pela pele, que é radiação infravermelha, que não conseguimos ver. Após análise
das imagens obtidas do corpo inteiro dos pacientes, fornecemos diagnóstico das possíveis
alterações.

Este caso exemplifica um em que o diagnóstico precoce pela técnica da Termografia

foi fundamental para um final feliz.

No segundo semestre de 2017, a paciente, de 54 anos, moradora do interior da
Paraíba, veio à capital, João Pessoa, para realizar o exame da Termografia. O relato era seu
problema no quadril, pelo uso de prótese total há mais de 20 anos, sem nenhuma outra queixa (e
também não tinha nenhuma informação sobre Termografia, mas desejava realizar o exame já que
poderia esclarecer a situação).

Foram realizadas captações de todo corpo, 40 imagens, para produzir seu
termograma. Na análise inúmeras alterações, tanto inflamatórias quanto degenerativas, todavia o
que mais chamou a atenção foram alterações “quentes” em colar na região da glândula Tireoide.
Ao término da consulta, orientações e sugestões foram para que continuasse a
investigação da Tireoide, sendo encaminhada ao Endocrinologista. Após pesquisas da função da
tireoide e punção com biopsia glandular foram constatados três nódulos que na histopatologia se
apresentaram com malignidade. Feito todo processo pré-operatório, a paciente realizou a cirurgia,
tendo continuidade com tratamento clínico e está evoluindo bem.

Está amplamente demonstrado na literatura internacional, há mais de sessenta anos,
a precocidade na obtenção, com a técnica da Termografia, de imagens sugestivas de neoplasias,
entre elas, da glândula Tireoide. O que faz da técnica um auxílio na prevenção destes problemas
é que não precisa de imagens grandes, caroços, ou nódulos palpáveis para que o exame seja
conclusivo, já que imagens alterações na presença de menor ou maior intensidade de calor, dão
pistas que algo está anormal.

Esta é mais outra história que através do emprego da técnica sem nenhum sintoma
presente pode se obter uma informação anormal da tireoide que precocemente foi tratada não
deixando que o processo evoluísse.

Saúde

Dr Sergio Munhoz
Médico Termografista

COMPARTILHE ESSE ARTIGO

Dr. Sérgio Munhoz

Dr. Sérgio Munhoz

Com mais de 30 anos de atuação em Medicina, o Dr. Sérgio Munhoz é especialista em Anestesiologia, Dor, Cuidados Paliativos e Termografia Médica e possui doutorado pela Unesp-SP.

Atualmente leciona na faculdade Unoeste e atende em seu consultório, em Presidente Prudente-SP.

Leia outros artigos

Fale conosco