Novembro-Azul-659x659

Câncer de Próstata – Prevenção é o melhor remédio

Dr. Sérgio Munhoz

Aproveitando o Novembro Azul, considerado o mês mundial para conscientização do câncer de próstata, preparamos um artigo com as principais dúvidas sobre a doença.

Nos homens, depois do câncer de pele, o de próstata é um dos mais comuns, de acordo com o Instituto Nacional de Câncer (entre 2014 e 2015) são aproximadamente 68.800 novos casos de câncer da próstata.

Geralmente ocorre em homens com idade superior a 65 anos, na média a cada 10 casos, 6 são em homens com idade superior a 65 anos, já com menos de 40 anos são casos raros, a média é em torno de 66 anos.

Os exames preventivos são fundamentais porque o câncer de próstata é a causa da morte em homens, seguida pelo câncer de pulmão. De acordo com as estatísticas 1 a cada 36 homens pode vir a falecer de câncer na próstata. Pode ser uma doença grave, mas se diagnosticada de forma precoce, o tratamento é considerado positivo em 95% dos casos.

A causa exata da maioria dos cânceres de próstata não é conhecida, mas os pesquisadores descobriram alguns fatores de risco e estão tentando entender como esses fatores tornam as células prostáticas em cancerosas.

Nos últimos anos, os pesquisadores começaram a entender como algumas mutações no DNA das células podem fazer com que as células normais da próstata se desenvolvam de maneira anormal formando o câncer. O DNA contêm as instruções genéticas que coordenam o desenvolvimento e funcionamento de todas as células. Normalmente, as pessoas se parecem com seus pais, porque eles são a fonte de seu DNA. Entretanto, o DNA também pode influenciar o risco de desenvolver certas doenças, como alguns tipos de câncer.

Alguns genes contêm instruções para controlar o crescimento e divisão das células. Os genes que promovem a divisão celular são chamados oncogenes. Os genes que retardam a divisão celular ou levam as células a morte no momento certo são chamadas de genes supressores de tumor. Os cânceres podem ser causados por alterações do DNA que se transformam em oncogenes ou desativam os genes supressores de tumor. Estas alterações genéticas podem ser herdadas de um dos pais, como é o caso das leucemias infantis, ou podem ser adquiridas durante a vida de uma pessoa, se as células do corpo cometerem “erros”, se dividindo para formar duas novas células.

As alterações no DNA podem ser hereditárias ou adquiridas ao longo da vida.

Mutações Hereditárias no DNA

As alterações hereditárias no DNA de determinados genes são responsáveis por cerca de 5% a 10% dos casos de cânceres de próstata.

Vários genes mutantes podem ser responsáveis pela tendência hereditária de um homem desenvolver câncer de próstata. Um deles é o chamado câncer de próstata hereditário – 1 (HPC1). Mas existem muitas outras mutações genéticas que podem ser responsáveis por alguns casos de câncer de próstata hereditário. Mas, nenhum deles é uma das principais causas da doença e mais pesquisas sobre estes genes estão em andamento. Os testes genéticos ainda não estão disponíveis.

Homens com mutações nos genes BRCA1 ou BRCA2 também podem aumentar o risco do câncer de próstata. As mutações nesses genes geralmente causam câncer de mama e de ovário em mulheres. Mas, as mudanças no BRCA hereditário, provavelmente, representam apenas uma porcentagem pequena dos cânceres de próstata.

Mutações Adquiridas no DNA

A maioria das mutações no DNA relacionadas ao câncer de próstata parecem ser adquiridas ao longo da vida, em função dos erros que ocorrem quando uma célula se divide para formar duas novas células.

Não está claro se essas mudanças no DNA podem ser eventos aleatórios, e quantas vezes elas podem ser influenciadas por outros fatores, como dieta e hormônios.  Em geral, as células da próstata que crescem e se dividem mais rapidamente têm uma maior probabilidade de que ocorram mutações.

O desenvolvimento do câncer de próstata pode estar ligado ao aumento das taxas de determinados hormônios. Níveis elevados de andrógenos (hormônios masculinos, como a testosterona) promovem o crescimento celular da próstata e podem contribuir para o risco de câncer de próstata em alguns homens.

Alguns estudos mostraram que homens com níveis elevados de outro hormônio, o fator de crescimento da insulina 1 (IGF-1), são mais propensos ao câncer de próstata. O IGF-1 é similar a insulina, mas afeta o crescimento celular e não o metabolismo do açúcar. No entanto, outros estudos não encontraram uma ligação entre o IGF-1 e o câncer de próstata. Ainda são necessários mais estudos para dar sentido a essas conclusões.

A exposição às radiações ou substâncias cancerígenas pode causar mutações no DNA em muitos órgãos do corpo, mas esses fatores não foram comprovados como importantes causas de mutações em células da próstata. (fonte http://www.oncoguia.org.br/conteudo/causas-do-cancer-de-prostata/5851/288/)

Sintomas e Sinais do Câncer de Próstata

No estágio inicial, na maioria das vezes, o câncer de próstata não tem nenhum sintoma, em um estágio mais avançado, pode aparecer:

Fluxo urinário fraco ou com interrupções

Sangue no liquido seminal

Dor ou ardor durante a micção, vontade de ir ao banheiro com mais frequência

Impotência

Se o tumor tiver pressionando a medula espinhal, pode ocorrer perda do controle da bexiga ou intestino

Dormência e/ou fraqueza nas pernas ou pés

COMPARTILHE ESSE ARTIGO

Dr. Sérgio Munhoz

Dr. Sérgio Munhoz

Com mais de 30 anos de atuação em Medicina, o Dr. Sérgio Munhoz é especialista em Anestesiologia, Dor, Cuidados Paliativos e Termografia Médica e possui doutorado pela Unesp-SP.

Atualmente leciona na faculdade Unoeste e atende em seu consultório, em Presidente Prudente-SP.

Leia outros artigos

Fale conosco